Como identificar um sistema de implante através de radiografias?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Muitas vezes, o profissional de Odontologia encontra pacientes com implantes muito antigos ou feitos em outros países que, por algum motivo, não têm documentação ou seu histórico clínico. Nesses casos, é necessário pedir novas imagens, mas vem a dúvida: como identificar um sistema de implante por meio de radiografias?

Quando é necessária a manutenção destas próteses, fica difícil comprar componentes substitutos sem saber qual o sistema utilizado. É para isso que a radiografia será utilizada. No entanto, ainda é difícil descobrir o sistema apenas analisando o exame.

Você já se viu nessa situação? Neste artigo, vamos descobrir como identificar um sistema de implantes por meio de radiografias.

Como identificar um sistema de implante por meio de radiografias?

A identificação de um sistema de implantes é essencial para restauração, tratamento e até descoberta de uma suposta prótese pirata, que pode ter sido usado pelo próprio profissional de Odontologia. Conheça sites e recursos que podem ajudar você nessa investigação.

Radiografia digital panorâmica

Para saber como identificar um sistema de implante, é necessário obter imagens radiográficas de qualidade. A radiografia digital panorâmica proporciona melhor visualização de todos os elementos da arcada dentária. Aliada à periapical, ela é a melhor opção para quem deseja identificar um sistema de implante.

No entanto, pela distância entre o sensor e o objeto (implante) radiografado, é comum que as imagens apresentem tamanhos ligeiramente maiores que o real. Por isso, é importante estabelecer uma margem de segurança.

Radiografias periapicais

Apesar de suas limitações, as radiografias periapicais são importantíssimas para o diagnóstico de doenças peri-implantares. E, para quem precisa saber como identificar um sistema de implante, elas também permitem uma observação mais precisa. Além da ligeira ampliação do objeto, as panorâmicas podem apresentar pequenas distorções no osso que envolve o implante.

Segunto Waithes (2009), os requisitos necessários para radiografias periapicais satisfatórias e com mínimas distorções são:

  • o implante e o receptor de imagem devem estar em íntimo contato e em relação de paralelismo;
  • os feixes de raios-X devem incidir perpendicularmente ao implante e ao receptor de imagem.

No entanto, a anatomia da arcada dentária não permite que esses requisitos sejam plenamente atingidos. Por isso, o profissional de Radiologia pode adotar duas técnicas periapicais para obter imagens mais fiéis à realidade: bissetriz e paralelismo.

Bissetriz

Também chamada de isometria, na técnica periapical de bissetriz os raios-X são posicionados para atingir perpendicularmente entre o eixo do objeto radiografado e o do sensor radiográfico. Assim, as imagens têm o mesmo comprimento e proporções do implante.

Para facilitar, a técnica de bissetriz também pode ser feita com o auxílio de posicionadores radiográficos para determinar a angulação dos feixes de raio-X.

Nesse caso, a cabeça do paciente deve estar posicionada de acordo com o posicionamento do implante que vai ser radiografado. Se o objeto estiver no maxilar, a linha de Camper deve estar paralela ao chão; já em um implante posicionado na mandíbula, é a linha trago comissura labial que deve ficar paralela.

Paralelismo

Já na técnica do paralelismo, também conhecida como cone longo, há posicionadores radiográficos específicos para posicionar o sensor paralelamente ao plano do eixo do implante. Utiliza-se um cone longo para que a imagem radiográfica não saia distorcida.

Embora a distorção da imagem seja ainda menor que o da técnica de bissetriz, consequentemente há um distanciamento entre implante e sensor.

Aqui, a cabeça do paciente pode permanecer reta ou levemente deitada para trás, dependendo do posicionamento do implante e do sensor.

radiografia periapical de um implante

Plataforma de implante

Além do parafuso de fixação, cada plataforma oferece métodos diferentes para estabilizar e travar o implante.

Observe alguns detalhes importantes para saber como identificar um sistema de implante:

  • se o implante é rosqueado;
  • se há algum canal transversal no ápice;
  • qual o provável diâmetro da plataforma;
  • se a cabeça do implante é cônica ou paralela;
  • se o travamento da plataforma é interno ou externo.

Com esse tipo de informação, você pode passar para os tópicos seguintes.

What implant is that?

O site “What implant is that?” tem um enorme catálogo de implantes de muitos dos sistemas disponíveis comercialmente em todo o mundo. Ele conta com diversos filtros para que você possa fazer a pesquisa mais específica e certeira.

Se depois de analisar as imagens você ainda não souber como identificar um sistema de implante, o site tem um serviço para isso. É só enviar uma radiografia periapical que a equipe tentará identificar qual o sistema utilizado e como entrar em contato com o fabricante.

Além das radiografias, o “What implant is that?” mostras imagens reais do implante de cada sistema. Apesar de muito completo, não há empresas brasileiras em seu catálogo.

OsseoSource Identify

Diferentemente do exemplo anterior, o “OSSEOsource Identify” traz exemplos de sistemas brasileiros, como Neodent, Conexão e Titanium. O site também tem vários filtros para facilitar sua busca.

SobreImplantes

O site “SobreImplantes” tem uma ferramenta de verificação de similaridade e compatibilidade entre sistemas. Com isso, é possível saber quais deles têm conexões semelhantes caso você precise utilizar componentes protéticos sobre implantes de fabricantes diferentes. Para obter essa informação, é só clicar no botão “similaridade” após fazer a pesquisa.

Segundo o site, os tipos com hexágono externo foram considerados também compatíveis com os da plataforma mais estreita, como uma opção para a aplicação da técnica do intermediário com diâmetro reduzido (abutment switching).

Embora haja um campo para fabricante/sistema, é possível fazer a pesquisa apenas colocando o tipo de conexão. Há também um link para pesquisa avançada, em que você encontra filtros para uma busca mais precisa. O banco de dados do site tem mais de mil implantes cadastrados.

Inúmeros problemas podem causar a perda do histórico clínico de um paciente odontológico. Quando o caso é da falta de informações sobre uma prótese, é necessário saber como identificar um sistema de implante por meio de radiografias. O uso de imagens digitais facilita a observação, já que traz mais clareza e detalhamento para a comparação com sistemas e componentes de inúmeras marcas.

Entendeu como identificar um sistema de implante por meio de radiografias? Para ter imagens de qualidade e que possam auxiliar você a resolver esse problema, é necessário contar com um serviço digital e comandado por especialistas. Entre em contato com a DVI Radiologia e tire todas as suas dúvidas.

Conheça os 7 passos para a Odontologia Digital

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Deixe uma resposta

Fechar Menu

DENTISTA SUAS REQUISIÇÕES ACABARAM?

Preencha o formulário abaixo:

Dentista solicite uma visita

Um representante entrará em contato para agendar uma visita.