Convênios odontológicos: mocinhos ou vilões?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Para clínicas odontológicas que estão começando, uma forma simples de atrair clientes é trabalhando com convênios odontológicos. Se houver alguma especialidade incomum no seu consultório, vai ser ainda mais fácil atender pacientes de um nicho específico. No entanto, nem todos que trabalham dessa forma estão satisfeitos.

Os baixos valores, o curto espaço de tempo para consultas e o excesso de atendimentos diários afastam algumas clínicas dos convênios odontológicos. Por esses motivos, a relação entre profissional e operadoras costuma ser turbulenta.

É fácil encontrar tanto quem defenda quanto quem ataque esse tipo de atendimento. Se você está em dúvida se deve ou não aderir a convênios odontológicos para atender a um maior número de pacientes, precisa entender como isso funciona, na prática, além de conhecer seus prós e contras. Isso tudo você confere neste post.

O que são convênios odontológicos?

O convênio odontológico é um plano em que, assim como acontece com o de saúde, o paciente paga um valor por mês e tem direito a consultas, limpeza, restauração, canal, extração, tratamento de gengiva e coparticipação em procedimentos mais exigentes.

Para o indivíduo com muitos problemas na arcada dentária, o convênio é uma grande vantagem. Mesmo pagando mensalmente, o valor total será muito menor que o pago em tratamentos particulares. Antes de começar a usá-lo, ele terá que esperar o período de carência, que pode ser de até 90 dias, dependendo do plano.

Para o odontologista que acabou de abrir sua clínica, aceitar convênios odontológicos pode ser uma grande vantagem para atrair pacientes. Em grandes centros, por exemplo, grande parte da população economicamente ativa faz uso do plano odontológico da empresa onde trabalha.

De qualquer forma, os convênios não têm do que reclamar quando o assunto é demanda de profissionais: segundo o CFO, só de cirurgiões-dentistas especialistas, há mais de 115 mil ativos no País. Por isso mesmo, há operadoras que fazem uma lista de espera para credenciamento.

Além disso, há uma certa burocracia para se associar a um convênio. As operadoras exigem diversos documentos, incluindo regularização pela Anvisa e registro no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

O próprio atendimento a clientes de planos odontológicos segue uma burocracia bem exigente, que inclui verificar a regularidade de cada paciente, preencher corretamente os guias de tratamento odontológico (GTO), atentar nas regras de carência, enviar de modo correto as imagens radiográficas e tomar cuidado com as glosas.

odontologistas e secretária olham documento dentro de um consultório

Como são estabelecidos os valores?

O profissional pode negociar com o consultor de credenciamento de plano. No entanto, as operadoras costumam calcular os preços com base na tabela TUSS.

Para saber se o preço praticado pelo convênio vale a pena, descubra quanto custa sua hora de trabalho. Assim, fica muito mais fácil negociar, já que você terá um valor-base.

Quais são os prós e contras dos planos odontológicos?

Verifique agora quais são as vantagens e desvantagens de se cadastrar em planos odontológicos.

Prós

A maior parte dos pacientes faz uso de convênios odontológicos. A grande oferta de especialidades a um preço reduzido traz muitas vantagens para o paciente. Segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), até dezembro de 2018, havia mais de 24 milhões de beneficiários de planos privados de saúde exclusivamente odontológicos.

Outro fator é que os planos odontológicos não cobrem tratamentos estéticos, como uso de aparelhos ortodônticos. O paciente pode fazer um tratamento e, por consequência, contratar, de forma particular, sua clínica para outros procedimentos.

Os valores variam conforme a lei da oferta e da procura. Se o plano de sua região conta com poucos profissionais, provavelmente o pagamento será maior. Além disso, se você oferecer algum serviço mais específico, o valor também tende a aumentar.

Você também não precisa se preocupar com pagamentos. O credenciamento é grátis.

Contras

No geral, a remuneração costuma ser baixa por consulta, o que obriga o profissional a atender um grande número de pacientes para obter lucro. Como resultado, as consultas podem ser muito curtas, o que atrapalha na qualidade do procedimento.

Para que a falta de um paciente não prejudique os horários da clínica, treine suas recepcionistas para quem façam o remanejamento de clientes. Isso fica muito mais fácil com o uso do WhatsApp.

Embora algumas operadoras credenciem profissionais formados há um ano, outras podem exigir até cinco anos de formação, depois que o consultório já tem uma cartela de clientes estabelecida.

Além disso, o excesso de burocracias pode não combinar com o perfil da sua clínica. Um grande número de radiografias e a assinatura do paciente depois de uma consulta já são procedimentos de praxe. No entanto, se houver algum erro no processo de atendimento, o resultado pode ser uma glosa, ou seja, o não recebimento por algum serviço realizado.

Glosas costumam acontecer com frequência. Antes de assinar, leia atentamente sobre o que pode ser descontado no seu pagamento.

Afinal, vale ou não a pena aderir a convênios odontológicos?

É difícil responder se, para um dentista, é vantajoso trabalhar com planos odontológicos. Embora traga uma vasta gama de pacientes (e muitos deles podem contratar serviços particulares), os valores são irrisórios e, por isso, é necessário atender muitas consultas por dia para compensar. Além disso, alguns serviços podem até sair de graça.

Portanto, antes de tomar uma decisão, analise alguns aspectos. Converse com outros profissionais que estejam no mesmo convênio e tire dúvidas sobre valor por consulta, glosas e burocracias. Não deixe de negociar com a operadora os valores pagos, caso não os ache justos.

Também verifique quais são os serviços cobertos pelo plano, para saber o que pode oferecer ao paciente de forma particular. Alguns convênios proíbem que o profissional trate o mesmo paciente tanto pelo plano quanto particularmente, o que pode ser um grande prejuízo para o consultório, dependendo do valor pago por procedimento.

Decidiu se vai aderir aos convênios odontológicos? Já teve alguma experiência com operadoras? Deixe seu comentário aqui no post!

Conheça os 7 passos para a Odontologia Digital

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Deixe uma resposta

Fechar Menu

DENTISTA SUAS REQUISIÇÕES ACABARAM?

Preencha o formulário abaixo:

Dentista solicite uma visita

Um representante entrará em contato para agendar uma visita.