Radiografia interproximal: entenda tudo sobre essa técnica

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

A radiografia é um exame essencial para a Odontologia. Suas inúmeras técnicas permitem a observação de objetos dentários e patologias distintas — cada uma privilegia um tipo diferente. Uma das mais usadas pelos profissionais é a radiografia interproximal, que proporciona uma visualização nítida de dentes posteriores.

Você costuma utilizar essa técnica em seus atendimentos? Neste post, vamos saber o que é radiografia interproximal, qual a sua finalidade e a melhor maneira de fazê-la. Confira!

O que é radiografia interproximal?

Também chamada de bite-wing, a radiografia interproximal é uma técnica radiográfica intraoral em que você obtém imagens das faces mesial, distal e das coroas dos pré-molares e molares, além das cristas ósseas vizinhas do maxilar e da mandíbula. Resumindo, permitem a visualização mais nítida dos dentes posteriores.

O termo “bite-wing” significa “asa de mordida” — termo da Odontologia que se refere à forma como o paciente segura o receptor de raios-X (entre os dentes).

Como a radiografia interproximal é realizada?

Para conseguir a radiografia interproximal, o profissional de Radiologia posiciona o aparelho para que o feixe de raio-X atinja as faces proximais perpendicularmente e paralelamente ao plano oclusal.

A angulação horizontal é  orientada paralelamente às faces proximais dos dentes que se deseja radiografar. Já a vertical varia de 8 a 10º positivos.

No  processo tradicional, a asa de mordida é feita em um receptor com filme radiográfico nas dimensões 3 x 4 cm ou 3,4 x 2,2 cm. É feita numa película normal com aleta de cartolina ou colocada em posicionador interproximal. O filme é posicionado intraoralmente e o paciente faz a contenção ocluindo sobre a aleta. Caso o odontologista queira estudar as cristas alveolares, recomenda-se colocar o filme em pé.

Para que o odontologista consiga visualizar os dentes superiores e inferiores em um mesmo exame, a radiografia interproximal é dividida em quatro: duas para a região dos dentes molares e duas para os dentes pré-molares.

Radiografia interproximal

Já na versão digital, não há necessidade de filme. O profissional faz o posicionamento correto do aparelho e conta apenas com o auxílio do posicionador para que o paciente faça a oclusão. O sistema de placas de fósforo, responsável por receber a imagem, faz com que taxa de exposição à radiação seja 70% menor do que a emitida por uma radiografia convencional.

  • posição da cabeça: PSM perpendicular ao solo e linha do trago à asa do nariz paralela ao assoalho;
  • arcada: o exame deve mostrar a face distal dos 2º pré-molares e a face distal dos caninos.

O exame é totalmente indolor e não causa desconforto ao paciente. Em menos de 2 minutos, o profissional obtém a imagem que necessita. Obviamente, se o odontologista necessitar de mais zonas anatômicas, o tempo tenderá a aumentar.

A radiografia interproximal é simples, pode ser feita tanto em crianças quanto em adultos e não requer preparação prévia.

Gestantes podem fazer radiografia interproximal?

O ideal é que gestantes evitem exames de raio-X durante a gravidez. No entanto, a radiografia interproximal não apresenta contraindicações significativas. Para evitar qualquer tipo de problema, a paciente deve avisar tanto ao odontologista quanto ao profissional de Radiologia sobre o atual tempo de gravidez.

Mesmo que a gestação não seja confirmada, é essencial avisar sobre a suspeita. Nesse caso, o profissional vai tomar o mesmo cuidado que tomaria com uma gestante: o uso de um avental de chumbo para proteger o feto da exposição à radiação.

Quais as indicações da radiografia interproximal?

Confira os casos em que a radiografia interproximal é indicada:

  • visualização das coroas dos dentes superiores e inferiores numa mesma imagem;
  • relação entre dentes decíduos e germes dos permanentes;
  • visualização de possíveis mudanças na cavidade pulpar;
  • visualização de cáries oclusais e interproximais;
  • identificação de excessos marginais;
  • avaliação do estado periodontal;
  • visualização de cálculos dentais;
  • visualização das cristas ósseas;
  • visualização de perdas ósseas;
  • pesquisa de cálculo gengival;
  • reincidência de cáries;
  • pode ser usada para avaliar a eficácia de alguns tratamentos, como as restaurações.

Quais as vantagens da radiografia interproximal?

Gostaria de conhecer as principais vantagens da radiografia interproximal? Confira abaixo:

  • a radiografia interproximal oferece maiores resolução e nitidez, pois atende aos 5 itens da radiografia ideal com mais qualidade que outras técnicas;
  • ideal para análise de presença de cáries oclusais e interproximais, que são mais difíceis de diagnosticar durante um exame clínico, além de trauma oclusal;
  • é mais rápida e simples, portanto exige menos exposição do paciente aos raios-X.

A versão digital da radiografia interproximal proporciona ainda mais benefícios:

  • imagens digitais economizam armazenamento e são mais fáceis de compartilhar entre outros profissionais;
  • permitem marcações e edições  de contraste, brilho e tamanho;
  • promovem a sustentabilidade, já que a receptação de imagens não lida com substâncias tóxicas tanto ao ambiente quanto aos profissionais e pacientes;
  • equipamentos de radiologia digital não geram resíduos poluentes ao meio ambiente;
  • exigem menos exposição aos raios-X;
  • raramente necessitam de retrabalho.

Agora que você já sabe o que é radiografia interproximal, entende a necessidade de contar com especialistas para obter as melhores imagens. Afinal, por mais que seja um exame relativamente simples, ele proporciona a visualização de alterações e patologias de difícil detecção em um exame clínico convencional.

Ficou interessado em experimentar a radiograifa interproximal com seus pacientes? Entre em contato com a DVI Radiologia e fale com um de nossos especialistas.

Seja um Dentista Parceiro!

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Deixe uma resposta