Como atender pacientes autistas no consultório odontológico

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

O transtorno do espectro autista é um problema que impacta a capacidades de comunicação, interação social e aprendizagem.  Ele pode variar do grau leve ao moderado, no entanto a tendência é que o autista sofra de isolamento social. Portanto, lidar com pacientes autistas requer cuidado, mas também entendimento sobre suas necessidades e dificuldades.

Para quem nunca teve contato com uma pessoa com o transtorno, pode parecer um pouco difícil lidar com um paciente autista. Por isso, antes de julgamentos e preconceitos, converse com alguém próximo ou um responsável e descubra qual o grau do transtorno do paciente. A partir daí, você saberá qual a melhor abordagem.

Neste post, vamos responder algumas dúvidas sobre como atender pacientes autistas no seu consultório odontológico, principalmente crianças. Confira.

Como o autismo age?

Como visto, o autismo é um transtorno de desenvolvimento que se caracteriza por dificuldades de comunicação, relacionamento social e aprendizagem. Além disso, a pessoa com espectro autista costuma ser hiper ou hiporreativa aos cinco sentidos mais conhecidos, especialmente à visão e audição. 

O problema costuma ser identificado em crianças (principalmente meninos) de 1 a 3 anos de idade, mas pode mostrar sinais nos primeiros meses de vida. Pode acontecer isoladamente ou acompanhado a outros transtornos psiquiátricos. A falta de informação sobre o autismo acaba levando com que essas crianças sejam excluídas do convívio social, o que agrava a tendência do transtorno em levar o indivíduo ao isolamento.

Quais as principais dificuldades com pacientes autistas?

Problemas na comunicação com o paciente, comportamento repetitivo e recusa para responder ao que foi solicitado são algumas das dificuldades relatadas pelos profissionais. Além disso, pacientes autistas costumam chegar ao consultório já com problemas, como cáries, más oclusões e bruxismo.

Por fim, a apreensão da criança (muitas vezes em resposta à ansiedade dos pais) dificulta a atuação do odontologista. Ela se recusa a abrir a boca, tem medo e chora. Isso é mais comum nas primeiras consultas.

Porém, o tratamento sugerido também vai interferir na resposta desses pacientes. Portanto, essas tendências comportamentais podem variar conforme a prática terapêutica adotada.

Como lidar com pacientes autistas?

Veja algumas orientações para oferecer o melhor atendimento possível a um indivíduo com autismo.

Converse com os pais

É fundamental que o paciente autista esteja sempre em dia com a saúde bucal. Para que isso ocorra, o tratamento mais eficiente é a prevenção. Porém, o problema é que pacientes autistas costumam ir ao consultório tardiamente, tornando o atendimento mais complexo. Portanto, converse com pais ou responsáveis pelo paciente e ensine a eles técnicas de higiene oral para aplicar ou ensinar ao paciente autista. 

Além disso, os pais também poderão informar sobre o grau de autismo e outras informações cruciais sobre a condição do paciente. Numa primeira consulta, dificilmente você conseguirá quebrar a barreira de isolamento desse paciente. Portanto, quanto mais ferramentas tiver para criar um relacionamento com a criança, melhor.

como atender pacientes autistas

Tenha paciência

Como dito, não será na primeira consulta que a relação entre profissional e paciente vai se firmar. Em alguns casos, principalmente de autismo severo, os responsáveis ficarão no consultório para tranquilizar o paciente. Porém, serão nesses momentos que a confiança vai começar a surgir. Portanto, tenha paciência, coloque-se no lugar do paciente e construa esse relacionamento sem forçar uma aproximação.

Ensine com vídeos

Dependendo do grau de autismo, o paciente pode ter dificuldade em assimilar as suas solicitações. Uma efetiva forma de ensiná-lo alguns comandos é a gravação em vídeo. Em gravações, mostre à criança como ela deve fazer a escovação diária dos dentes, incluindo o uso de fio dental. Você vai prevenir o aparecimento ou piora de problemas, além de auxiliá-la a ter independência. 

O ideal é que seja no seu consultório odontológico. Ao assistir, ela vai se acostumar com sua aparência, forma de falar, além do local e das ferramentas de tratamento. 

Peça para que os pais mostrem a gravação toda vez que a criança fizer a escovação. Com o tempo, ela fará de forma automática.

Fique na direção do paciente

A tendência ao isolamento social é refletida na dificuldade do paciente em olhar nos olhos. Nesse contexto, é responsabilidade do odontologista conseguir se comunicar com o paciente atraindo seu olhar.

Portanto, sempre que possível, mantenha-se na altura do olhar da criança (mesmo que ela não esteja te olhando). Assim, você facilita o contato visual — já que ela não precisará olhar para cima — e transmite confiança. 

Cores e o aspecto lúdico

O lúdico é um fator muito usado para atrair a atenção de crianças e pode ser utilizado também com pacientes autistas. Jalecos coloridos, desenhos na decoração, óculos maiores e cores chamativas (mas não em exagero) vão atrair o olhar para você.

Outra forma de usar o lúdico é na aprendizagem. Você pode, por exemplo, utilizar fantoches para ensinar a criança a escovar os dentes. Cada etapa que ela conseguir realizar deve ser seguida de um elogio para motivá-la.

Ofereça tranquilidade no atendimento

O consultório precisa ser visualmente agradável. Mesmo que seu visual seja mais colorido, os tons precisam ser claros. Você pode também colocar espelhos na parede. Assim, caso a criança queira um contato visual conhecido, poderá recorrer a eles.

Elogie

Quando o paciente mantiver contato visual ou conseguir executar uma sequência ensinada, elogie a atitude. Ele vai se sentir mais motivado a repetir a ação.

Ensine com músicas

Além dos vídeos, outra forma de ensinar às crianças com autismo é utilizando músicas. Você pode trocar a letra de uma música que ela gosta e ensinar a sequência da escovação e do uso de fio dental. 

Pacientes autistas costumam ter grande aptidão musical. Portanto, utilize esse recurso sempre que possível.

Como você viu, oferecer um excelente atendimento a pacientes autistas não é um problema, mas o profissional precisa ser humanizado. Essa regra, claro, vale para todos os tipos de clientes. Veja agora como lidar com pacientes cardiopatas no consultório odontológico

Seja um Dentista Parceiro!

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Deixe uma resposta