Dossiê ácido hialurônico na Odontologia: o que é e quando indicar

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Nos últimos anos, os procedimentos de odontologia estética vem ganhando força. Afinal, um belo sorriso faz toda a diferença na autoestima do paciente. No entanto, outros recursos também têm sido utilizados, como o ácido hialurônico na Odontologia — e aí vem o problema.

Da mesma forma que a toxina botulínica, o uso de ácido hialurônico na Odontologia costuma ser malvisto por profissionais da Dermatologia. Afinal, é um recurso válido? Você deve ou não usá-lo em procedimentos? Entenda essas e outras questões neste post:

O que é ácido hialurônico?

O ácido hialurônico (AH) um polímero já existente no corpo humano, porém sua produção diminui com o passar dos anos. Ele lubrifica e absorve o impacto em partes móveis do corpo, portanto é essencial na constituição humana. 

Além da importância na movimentação e articulações, é ele quem preenche o espaço entre as células e dá o aspecto liso, hidratado e elástico à pele. A capacidade de retenção da água do ácido é tão grande que ele é capaz de absorver mil vezes o seu peso. Com a baixa de sua produção, a derme começa a criar vincos, perder a densidade e enrugar.

É permitido o uso de ácido hialurônico na Odontologia?

Sim. Embora a classe médica costume se incomodar e até reclamar legalmente sobre esse exercício, o uso de ácido hialurônico na Odontologia tem amparo na Lei.

Segundo o artigo 6º da Lei nº 5.081/66, que regula o exercício da Odontologia, compete ao cirurgião-dentista praticar todos os atos pertinentes ao seu ofício decorrentes de conhecimentos adquiridos em cursos regulares ou de pós-graduação. Isso inclui prescrever e aplicar especialidades farmacêuticas de uso interno e externo da Odontologia, como a utilização da toxina botulínica e do ácido hialurônico.

Já a Resolução 145, de 2014, permite o uso do ácido hialurônico em procedimentos odontológicos, com reconhecida comprovação científica.

Por fim, a  Resolução 176, de 2016,  revogou outras resoluções a afirmarem que dentistas só poderiam fazer uso dessas substâncias para fins terapêuticos funcionais.

Ou seja, o odontologista pode sim fazer procedimentos com ácido hialurônico que estejam relacionados à estética do sorriso.

Qual a sua aplicabilidade?

Na Odontologia, o uso de ácido hialurônico é basicamente estético:

  • biomodelação labial: aumento do volume dos lábios para corrigir assimetrias, devolver o contorno e dar um aspecto mais jovem. Recomendado para lábios afinados pela genética, idade ou fumo;
  • atenuação de marcas que se formam entre os cantos da boca e o queixo;
  • preenchimento de rugas ao redor dos lábios (“código de barras”);
  • atenuação do sulco nasogeniano (o famoso “bigode chinês”);
  • atenuação de rugas mentonianas (do queixo);
  • harmonização do contorno mandibular;
  • disfarce de rugas de expressão;
  • preenchimento de olheiras;
  • preenchimento de malar;
  • harmonização do nariz.

Antes de fazer a aplicação, o cirurgião-dentista deve fazer um estudo da face do paciente analisando características como forma, tamanho e comprimento de toda a região malar. Além disso, avaliar clinicamente o perfil mole da face e identificar as áreas com maior deficiência produtiva de fibras de colágeno e elastina é essencial.

ácido hialurônico na Odontologia

Como é feita a aplicação de ácido hialurônico pelos odontologistas?

A aplicação do ácido hialurônico na Odontologia é injetável, portanto um procedimento minimamente invasivo. Porém, pode ser feito da epiderme à derme, dependo do tipo de procedimento e da região a ser tratada. Embora seja pouco dolorido, o cirurgião-dentista aplica anestesia tópica para prevenir qualquer incômodo durante o procedimento.

Assim como a profundidade da aplicação, a dosagem, aplicada com uma agulha ultrafina, também deve ser compatível com as necessidades do paciente.

Na maioria dos casos, o paciente retorna às suas atividades de rotina no dia seguinte. Então, basta apenas não massagear a área ou fazer atividades de muito esforço físico nas seis primeiras horas. É também recomendado realizar compressas de água fria e usar analgésicos ou anti-inflamatórios recomendados pelo cirurgião-dentista.

Logo após a aplicação, podem aparecer leves edemas, mas que costumam desaparecer em até 24h.

Quanto tempo dura o efeito do AH?

O ácido hialurônico é completamente absorvido pelo organismo depois de um tempo, que pode variar de seis meses a dois anos. Portanto, para a manutenção dos resultados, é fundamental realizar manutenções semestrais ou anuais, seguindo a indicação do cirurgião.

Precisa ser especialista ou fazer curso para poder realizar o procedimento?

É necessário fazer um curso de capacitação para a aplicação do ácido. No entanto, precisa ser uma pós-graduação ou algo do tipo. Ou seja, qualquer cirurgião dentista pode se capacitar.

Quais as reações adversas?

Embora o AH utilizado em procedimentos seja de composição manipulada, ele não deixa de ser uma substância orgânica. Portanto, sua aceitação pelo corpo é praticamente certa. Mas é claro que podem acontecer reações adversas, que podem ser divididas em precoces e tardias:

Reações precoces

  • eritema (vermelhidão) e edema (inchaço);
  • hematoma;
  • necrose;
  • infecção;
  • nódulos.

Reações tardias

  • granulomas (pequenos nódulos criados para isolar bactérias, fungos ou corpos estranhos que o organismo foi incapaz de expulsar);
  • cicatriz hipertrófica (cicatriz elevada em relação ao tecido, semelhante à queloide);
  • reações alérgicas.

Qual a diferença entre botox e AH?

Por mais que ambos sejam muito utilizados em procedimentos estéticos, a toxina botulínica nada tem a ver com o ácido hialurônico.

Derivada da mesma bactéria do botulismo, a toxina é extremamente segura, portanto não tem chances de causar qualquer problema de saúde e seus efeitos colaterais são raros. Ela não preenche a pele ou traz volume aos lábios, por exemplo, mas paralisa os neurotransmissores que enviam impulsos aos músculos para movimentar determinadas partes do rosto e fazer os vincos aumentarem. Com isso, diminui e previne a formação de rugas dinâmicas e vincos. 

Mas o uso de botox vai além do estético. Na Odontologia, ele pode ser usado para:

  • o tratamento de bruxismo, já que é capaz de bloquear os neurotransmissores que fazem com que haja a contratura da arcada dentária;
  • diminuição do sorriso gengival;
  • diminuição da assimetria do sorriso;
  • melhoria estética do rosto e pescoço.

O uso da toxina botulínica pelos odontologistas também é permitido por Lei. O parágrafo 2 da Resolução 146, também de 2014, diz que o uso da toxina botulínica será permitido para procedimentos odontológicos e vedado para fins não odontológicos. Na prática, isso significa que o odontologista não deve aplicar o botox em outras regiões que não visem à melhoria do sorriso.

Resumindo: na Odontologia, enquanto o ácido hialurônico preenche e remodela, a toxina botulínica previne, evita ou diminui de vincos a bruxismo. Portanto, as substâncias são indicadas para procedimentos diferentes.

Viu como é possível o uso de ácido hialurônico na Odontologia? Por ser um procedimento muito requisitado, é tentador utilizá-lo em promoções para atrair mais clientes. Mas seria uma estratégia correta? O odontologista deve recorrer a ofertas e vendas publicitárias para reter clientes? Descubra se é possível entrar na Black Friday.

Conheça os 7 passos para a Odontologia Digital

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Deixe uma resposta

Fechar Menu
×
×

Carrinho

DENTISTA SUAS REQUISIÇÕES ACABARAM?

Preencha o formulário abaixo:

Dentista solicite uma visita

Um representante entrará em contato para agendar uma visita.