Cárie precoce na infância — o que fazer

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Durante a noite, principalmente no horário de sono, a saliva diminui e, consequentemente, a proteção natural e limpeza na arcada dentária. Com isso, abre-se uma oportunidade para a proliferação de bactérias produzirem malefícios no local, principalmente em crianças. Entre eles, um dos mais conhecidos é a cárie precoce na infância — algo que assusta, mas que pode ser evitado.

A maior parte dos problemas odontológicos pode ser evitada, mas quando falamos de crianças, esse cuidado fica a cargo dos pais. Portanto, cabe ao odontologista dar a orientação necessária para evitar problemas ainda no começo da vida.

Neste texto, vamos entender o que é cárie precoce na infância, suas causas, manifestações e prevenção. Então, continue a leitura:

O que é cárie precoce na infância?

Conhecida como cárie de mamadeira, a cárie na infância é um problema que ocorre principalmente em crianças de 0 a 3 anos, que mamam durante a noite e não recebem a correta higiene oral. Nesse caso, as bactérias — principalmente do tipo Streptococcus mutans (SM) — metabolizam o açúcar do leite presente na boca para produzir ácidos que destroem o esmalte do dente. 

Tanto na arcada superior quanto na inferior, os primeiros dentes afetados são os anteriores. Os primeiros sinais de aparecimento são manchas brancas próximas à gengiva. Caso não seja tratada a tempo, pode evoluir  para uma coloração acastanhada seguida de uma cavidade. Outros fatores que demonstram uma evolução para o estágio grave de cárie na infância são:

  • entre 3 e 5 anos, apresentar um ou mais dentes decíduos maxilares anteriores cariados, perdidos (por cárie) ou restaurados/obturados; 
  • aos 3 anos, apresentar 4 ou mais dentes cariados, perdidos e obturados;
  • aos 4 anos, apresentar 5 ou mais dentes cariados, perdidos e obturados.

Quais os problemas que a cárie precoce na infância pode trazer?

A cárie precoce é extremamente dolorosa e evolui rapidamente. Além disso, pode ser imperceptível para os pais, já que, por serem brancas, as manchas podem passar despercebidas. Portanto, acaba acometendo seriamente a dentição do bebê. Outro fator é a perda, restauração ou obturação devido à cárie, em crianças menores de seis anos.

Além desses, segundo a American Academy of Pediatric Dentistry, as consequências de cáries precoces na infância são:

  • Maior risco de novas lesões de cárie em ambas as dentições.
  • Faltas escolares e aumento de dias com atividade restrita.
  • Risco de atraso no crescimento físico e desenvolvimento.
  • Custos mais altos em tratamento odontológico.
  • Mais hospitalizações e consultas de urgência.
  • Menor capacidade de aprendizagem.
  • Menor qualidade de vida.

A motivação dos pais torna-se um indispensável fator de prevenção, pois o correto é que se inicie a limpeza o mais precoce possível, antes mesmo da erupção dos primeiros dentes – entre o 2° e o 3° mês de vida do bebê.

Cárie e condições sociais

Infelizmente, a cárie precoce na infância é relativamente comum, principalmente em comunidades que não têm acesso à informação e/ou a tratamentos odontológicos regulares. É considerado um problema de saúde pública presente em regiões carentes de países subdesenvolvidos e industrializados, onde a desnutrição é um fator comum — em “Research issues in early childhood caries”, Horowitz aponta uma relação entre a falta de alimentação adequada e deformidades na dentição decídua que a predispõe a um maior risco.

Já em um estudo de coorte feito com 224 bebês de 48 meses de idade pertencentes a famílias de baixa renda de João Pessoa (PB), observou-se que 10,7% e 33% da amostra apresentaram cárie precoce e severa, respectivamente. Além disso, 79,9% tinham ao menos um dente com defeito de esmalte — justamente o sinal de agravamento do problema.

A cárie precoce na infância pode ser tratada?

Sim, e o problema é reversível, mas o mais importante é evitá-lo com uma boa higiene. O ideal é que a limpeza comece a ser feita o mais breve possível, entre o segundo e o terceiro mês de vida, antes da erupção dos primeiros dentes.

Como fazer a higiene corretamente?

carie precoce na infancia

É importante que o odontologista ensine os pais a fazer a higiene corretamente. 

Antes dos 3 anos, a limpeza dos dentes da criança é de responsabilidade apenas dos pais. Após esse tempo, a criança pode começar a escovar por conta própria, mas sempre com supervisão. 

Nos primeiros meses de vida, a higienização deve ser realizada com uma gaze ou fralda molhada em água filtrada. No entanto, a partir da erupção do primeiro dente, já é necessário fazer a limpeza com escova apropriada ao tamanho da criança e creme dental com flúor, de pelo menos 1000 ppmF.  

Então, confira uma lista de orientações para limpeza diária:

  • antes da erupção do primeiro dente: higienização das mucosas orais duas vezes ao dia, com gaze, fralda ou dedeira molhada em água filtrada;
  • após a erupção do primeiro dente até os 3 anos: escovação mínima de duas vezes ao dia, obrigatória à noite. A escova deve ter cerdas macias; já a pasta deve ter de 1000 a 1500 ppmF. A quantidade recomendável para crianças que não sabem cuspir é equivalente a um grão de arroz;
  • 3 a 6 anos: escovação mínima de duas vezes ao dia, obrigatória à noite. A escova deve ter cerdas macias; já a pasta deve ter de 1000 a 1500 ppmF. A quantidade recomendável para crianças que não sabem cuspir é equivalente a um grão de ervilha.

Como evitar o problema?

Veja algumas recomendações para dar aos pais de primeira viagem:

  • minimizar atividades em que haja partilha de saliva, como o compartilhamento de talheres. Os pais, aliás, podem transmitir bactérias para as crianças;
  • evitar o uso mamadeira para confortar a criança. Para isso, deve-se ensiná-la a beber no copo ou na caneca por volta do primeiro ano de vida;
  • se a criança só dorme com a mamadeira, diluir o leite com água ou ofereça-a pura até que a criança perca o costume;
  • fazer a higienização dos dentes sempre que a criança beber algum suco, mesmo que não tenha açúcar;
  • não mergulhar a chupeta em mel ou líquidos açucarados;
  • evitar a adição de açúcar às bebidas e alimentos;
  • evitar a adição de açúcar às bebidas da criança;
  • não deixar a mamadeira na mão da criança.

Uma boa orientação e a presença de trabalho odontológico em comunidades menos favorecidas podem evitar o aparecimento de cárie precoce na infância. Para mais informações sobre Odontologia e Radiologia Odontológica, assine a newsletter da DVI Radiologia.

Conheça os 7 passos para a Odontologia Digital

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Deixe uma resposta

Fechar Menu
×
×

Carrinho

DENTISTA SUAS REQUISIÇÕES ACABARAM?

Preencha o formulário abaixo:

Dentista solicite uma visita

Um representante entrará em contato para agendar uma visita.