Sulco nasolabial: qual é o melhor método para tratamento do “bigode chinês”?

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Procedimentos estéticos minimamente invasivos ganham cada vez mais força. Em vez de o indivíduo se submeter a uma cirurgia para fazer alterações estéticas, ele pode ir ao consultório odontológico e sair no mesmo dia, em questão de horas. Um desses, que faz parte do conjunto de alterações estéticas da harmonização facial, é o preenchimento do sulco nasolabial — o famoso “bigode chinês”.

Uma das principais marcas do envelhecimento, o sulco nasolabial é visto como um problema para grande parte da população, mas a solução pode ser encontrada em um consultório odontológico. Então, continue a leitura e saiba mais sobre o procedimento.

O que é sulco nasolabial?

Também chamado de nasogeniano, o sulco nasolabial é a marcação na pele que pode ir da narina à comissura dos lábios. O mais comum é que apareça com o tempo, quando o corpo diminui a produção de ácido hialurônico, responsável pelo viço e firmeza da cútis. Portanto, começa a surgir após os 30 anos.

No entanto, o sulco nasolabial é resultado da movimentação facial — é, portanto, uma linha ou marca de expressão. Mesmo com o rosto em repouso, esses sulcos ficam visíveis.

Outras causas também são responsáveis por seu surgimento precoce:

  • exposição excessiva ao sol (principalmente sem uso de filtro);
  • genética e modificações hormonais;
  • diminuição de fibras musculares (que fazem uma rede de sustentação para a pele);
  • consumo de cigarros e álcool;
  • posição viciada ao dormir;
  • exagero de caretas ao falar;
  • alimentação inadequada;
  • emagrecimento severo;
  • atrofia óssea,
  • gravidade.

Por esses motivos, existem pessoas que possuem essas linhas mais marcadas, enquanto em outras elas são muito discretas.

Como prevenir o aparecimento do bigode chinês?

Veja alguns procedimentos para retardar o aparecimento do sulco nasolabial:

Hidratantes com ácido hialurônico

Os cremes podem funcionar para prevenir e reduzir o bigode chinês, mas é preciso atenção. O ácido hialurônico é uma molécula de alto peso molecular, portanto não é absorvido pela pele na aplicação utópica. Portanto, quando usado em um hidratante, fica sobre a superfície cutânea retendo água e também hidratando. Apesar de eficiente, ele só atua enquanto a pele não é lavada.

Atualmente, o mercado também traz os ácidos de baixo e baixíssimo peso molecular. O primeiro incentiva a produção de ácido hialurônico pelo próprio organismo, pois é capaz de penetrar nas primeiras camadas da pele.

Já o de baixíssimo peso molecular consegue alcançar as camadas mais profundas, para oferecer um rejuvenescimento mais eficaz.

Vale ressaltar que o efeito dos dois últimos seu efeito permanece até que o organismo consiga absorvê-los — o que costuma demorar de 1 a 2 dias.

Alimentação

A ingestão de vitaminas, proteínas e fibras ajuda a o organismo a eliminar toxinas e previne a formação dos radicais livres.

Filtro solar

Além do envelhecimento natural e da genética, o sol é um dos maiores inimigos da pele quando em excesso. Portanto, é essencial usar protetor solar: ele protege e previne o aparecimento de neoplasias cutâneas. Quanto mais cedo o indivíduo começar a usá-lo, mais tarde as rugas e sulcos vão aparecer. 

Sono

É durante o sono que a pele se renova. Portanto, uma boa noite de sono (de 6 a 8 horas) ajuda a manter o tecido cutâneo com mais saúde. É necessário, claro, ter cuidado com a posição em que se dorme. Quando o indivíduo permanece de bruços, o rosto fica pressionado no travesseiro por muitas horas.

Preenchimento: tratamento mais usado

sulco nasolabial

Atualmente, o tratamento mais utilizado para a diminuição do sulco é o preenchimento com ácido hialurônico. A substância preenche o espaço entre as células e tem característica hidrofílica  — é capaz de adsorver o equivalente a mil vezes o seu peso em água. Com isso, deixa a pele mais hidratada, firme, jovial e viçosa.

Por ser produzido pelo corpo, as chances de efeitos colaterais causadas pelo ácido são praticamente nulas. Além disso, não agride a derme e não necessita de cirurgia — o paciente sai do consultório logo depois da aplicação.

Como ocorre a aplicação de ácido no sulco nasolabial?

O preenchimento é considerado um procedimento ambulatorial, por isso pode ser feito em consultórios ou clínicas. Com o uso de anestesia local em aplicação tópica, o ácido hialurônico é colocado nas camadas mais profundas (com agulha ou microcânula), preenchendo até mesmo grandes áreas da pele. 

Para a resolução de sulco nasolabial, o ácido utilizado é de alto peso molecular, já que demoram mais tempo para ser absorvidas pela pele. Por isso, a aplicação tem eficácia garantida durante 6 meses, mas há casos em que o resultado é visto de 12 a 24 meses após a aplicação.

Depois de ser injetado na pele, a substância é metabolizada em dióxido de carbono e água e então eliminada pelo fígado.

O resultado é bastante natural. Além disso, já é possível notá-lo ao final da aplicação, mas sua melhor percepção ocorre após uma semana.

Quais os efeitos colaterais de preenchimento no sulco nasolabial?

Os efeitos colaterais à aplicação de ácido hialurônico não costumam ser divulgados porque têm frequência inferior a 2% na literatura. Podem ser divididos em efeitos precoces e tardios.

Efeitos precoces

  • equimose/hematoma;
  • eritema e edema;
  • necrose;
  • infecção;
  • nódulos.

Efeitos tardios

  • cicatriz hipetrófica (rara, mas já se manifestou em pacientes com tendência a queloides);
  • reações alérgicas
  • granulomas.

Como visto, o sulco nasolabial é uma marca de expressão que ocorre em qualquer indivíduo que esteja envelhecendo, mas que pode ser revertida temporariamente por meio de preenchimento com ácido hialurônico. Esse procedimento faz parte de um conjunto de alterações na face chamado de harmonização facial, que também podem ser feitas por um odontologista. Então, descubra agora como é feito o preenchimento maxilar.

Seja um Dentista Parceiro!

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Deixe uma resposta