Lipo enzimática de papada: tudo o que você precisa saber

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

O povo brasileiro é vaidoso e, por isso, a preocupação com a estética do sorriso é o que leva um grande público ao consultório odontológico. No entanto, o odontologista também pode oferecer outros serviços voltados à harmonização orofacial que, num primeiro momento, não pareceriam de sua alçada, como a aplicação de botox e o preenchimento com ácido hialurônico. Por isso, outro serviço que pode entrar nesse leque é a lipo enzimática de papada.

Procedimentos estéticos não ou minimamente invasivos ganham força no mercado da beleza. Por isso, com a perícia e o estudo anatômico que um odontologista tem, pode se especializar e oferecer boa parte dessas novas técnicas para seus clientes. Além de aumentar a carteira de clientes, você consegue fidelizá-los com diferentes serviços.

Neste texto, você vai entender o que é lipo enzimática de papada e o que é necessário fazer para oferecê-la no seu consultório:

O que é lipo enzimática de papada?

É um procedimento estético de retirada de gordura da região abaixo do queixo — a famosa “papada” — que surge como alternativa à lipoaspiração ou ao lifting de pescoço. Sem cortes ou dores, é um procedimento minimamente invasivo, que pode ser feito no consultório e o paciente já sai com alta.

Além disso, a técnica e o produto aplicado são autorizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Por isso, os profissionais da Odontologia e Dermatologia estão liberados para tratar seus pacientes de forma minimamente invasiva e igualmente eficaz.

Como é feita a lipo enzimática da papada?

Na região do pescoço, o odontologista aplica múltiplas microinjeções subcutâneas, que rompem a membrana dos adipócitos, eliminando os reservatórios de gordura. Para isso, utiliza-se uma versão do ácido deoxicólico, enzima produzida pelo corpo para ajudar a destruir os reservatórios lipídicos, a 1%.

O procedimento pode ou não ter aplicação de anestésicos tópicos — depende da sensibilidade e resistência do paciente.

São necessárias quantas sessões para obter o resultado desejado?

Geralmente, o paciente precisa de 4 a 6 sessões para ter o contorno do queixo desenhado, cada uma de aproximadamente 30 minutos. No entanto, é preciso ter um espaço de um mês entre uma aplicação e outra; assim a região tem tempo para desinchar. 

Apesar da quantidade de sessões, nota-se uma diferença no queixo logo na primeira aplicação.

Lipo enzimática e drenagem linfática

O ácido deoxicólico atua como um emulsificante nas células de gordura, então é normal que a região fique inchada por alguns dias. Portanto, recomenda-se um trabalho conjunto de lipo enzimática da papada e drenagem linfática. Enquanto o procedimento rompe as células de gordura e libera seu conteúdo, a drenagem ajuda a linfa a “limpar” o organismo e a eliminar esses resíduos com mais rapidez.

Do que o odontologista precisa para trabalhar com a técnica?

lipo enzimática de papada

O cirurgião-dentista precisa fazer o curso e ser certificado por uma instituição respaldada legalmente pelo Conselho Federal de Odontologia.

Qual a duração do resultado?

Diferentemente do que ocorre com o botox e com o preenchimento, em que as substâncias ficam agindo até o momento em que são totalmente absorvidas pelo organismo, o ácido da lipo enzimática não está mantendo um resultado temporário, pois ele já agiu e eliminou as células adiposas do local. Ou seja, o resultado é praticamente definitivo.

Portanto, a papada só vai voltar a existir se o paciente ganhar peso excessivo e, consequentemente, voltar a acumular gordura na região. 

A lipo enzimática da papada oferece algum risco?

Como qualquer procedimento clínico, a lipo oferece risco se o profissional não souber fazê-la. Uma injeção mal-aplicada pode causar a disfunção marginal do nervo mandibular e necrose.

Portanto, é essencial que o cirurgião-dentista se especialize antes de fazer o procedimento.

Quais as recomendações pós-lipo para o paciente?

A lipo enzimática de papada é um procedimento minimamente invasivo, mas requer cuidados. Por isso, o cirurgião-dentista precisa indicar que o paciente:

  • use uma faixa compressora ou microporosa a partir do quarto dia após a sessão. Recomenda-se também a drenagem para diminuir o edema com mais rapidez e eficácia;
  • evite anti-inflamatórios que possam cortar o efeito das enzimas;
  • evite exercícios por pelo menos 48 horas;
  • não fume. 

A lipo enzimática de papada resolve a flacidez?

Não. A flacidez ocorre pela perda de sustentação da pele, enquanto a lipo elimina os adipócitos. A eliminação dessas células, aliás, pode fazer com que a flacidez apareça.

Para lidar com ela, existem outros métodos que não necessariamente serão aplicados pelo cirurgião-dentista, como os fios de sustentação, a radiofrequência e o laser.

Portanto, é preciso esclarecer ao paciente que:

  • a eliminação da papada de gordura pode acarretar o surgimento de uma papada causada pela flacidez;
  • é possível contornar o problema com fios de sustentação.

Existe alguma contraindicação?

Sim. O procedimento não é indicado para gestantes, lactantes e quem sofre com cistos, infecções ou nódulos tireoideanos (como bócio coloide) no local.

O cirurgião-dentista pode aplicar procedimentos de harmonização facial?

Sim. Aqui no blog já abordamos este assunto no dossiê sobre ácido hialurônico, mas é sempre bom relembrar, já que o profissional de Odontologia precisa saber que todos os seus procedimentos têm amparo legal.

Por mais que parte da classe médica seja contra a prática de procedimentos de harmonização facial por outros profissionais da área da saúde, os cirurgiões-dentistas são protegidos pela Lei:

  • o artigo 6º da Lei nº 5.081/66 afirma que compete ao cirurgião-dentista praticar todos os atos pertinentes ao seu ofício decorrentes de conhecimentos adquiridos em cursos regulares ou de pós-graduação, incluindo prescrever e aplicar especialidades farmacêuticas de uso interno e externo da Odontologia;
  • a Resolução 145/2014, permite o uso do ácido hialurônico em procedimentos odontológicos, com reconhecida comprovação científica;
  • Resolução 176/2016 revogou outras resoluções que afirmavam que dentistas só poderiam fazer uso de toxina botulínica e ácido hialurônico para fins terapêuticos funcionais.

Quais outros procedimentos podem ser feitos pelo cirurgião-dentista?

Com a capacitação devida, o cirurgião-dentista pode fazer:

  • aplicação de toxina botulínica;
  • preenchimentos facial e labial;
  • bioestimulação de colágeno;
  • fios de sustentação;
  • rinomodelação;
  • geginvectomia;
  • bichectomia.

Pronto para adotar a lipo enzimática de papada no seu consultório? O que você acha de odontologistas aplicando procedimentos estéticos? Deixe seu comentário no post!

Seja um Dentista Parceiro!

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Deixe uma resposta