Semiologia Odontológica: o que é e para que serve

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

A Odontologia é base para a descoberta de diversas doenças, inclusive sistêmicas. Além de uma simples cárie ou tártaro, cirrose, bulimia e até Aids podem ser diagnosticados em uma ida ao consultório do dentista. Portanto, dominar a Semiologia Odontológica é fundamental para descobrir desde patologias simples até as mais complexas, que causam riscos graves e imediatos ao paciente.

É importante conferir a saúde bucal com frequência. Então, neste post, vamos saber mais sobre a importância da Semiologia Odontológica:

O que é Semiologia Odontológica?

Também chamada de Estomatologia, a Semiologia Odontológica é a área de estudo da Odontologia voltada à avaliação dos primeiros sinais ou os sintomas da patologia em si. Para isso, ela conta com um conjunto de técnicas (manobras) para uma análise e diagnóstico corretos.

A Semiologia Odontológica proporciona ao odontologista a aquisição de conhecimentos para o diagnóstico das principais doenças do sistema estomatognático. Isso também é possível graças aos dados obtidos durante a anamnese, exames físico, radiológico, laboratoriais e histopatológicos, além da biópsia.

Apesar de tudo, o foco são as lesões internas e externas da cavidade bucal e do complexo maxilo-mandibular. Nesse contexto, o especialista tem a função de conhecê-los e identificar quais disfunções podem acometê-lo.

O que compreende a Semiologia Odontológica?

Veja o que o odontologista precisa dominar para fazer um diagnóstico seguro:

  • exames complementares laboratoriais;
  • exames complementares por imagem;
  • anemias e doenças hematológicas;
  • doenças renais e hipertensão;
  • diagnósticos e prognósticos;
  • manobras semiotécnicas;
  • atendimento a gestantes;
  • endocardite bacteriana;
  • exames clínico e físico;
  • DPOC e diabetes;
  • sinais e sintomas;
  • biossegurança;
  • anamnese.

Quais as manobras da Semiologia Odontológica?

As manobras de Semiologia Odontológica ou semiotécnicas contam com uma série de técnicas para o diagnótisco de patologias:

Inspeção

É a avaliação visual sistemática do paciente. O profissional utiliza os dois tipos de visão: direta (olho nu) e indireta (lentes e espelhos). Todas as características observadas devem ser minuciosamente descritas no prontuário.

Diascopia (vitropressão)

É a pressão de uma lâmina de vidro contra alguma lesão para verificar se ela é vascular ou não. Se a lesão desaparecer com a pressão, ela é vascular; caso contrário, é pigmentar. Isso ocorre porque o ato de pressionar comprime os vasculares que estão irrigando a região, empurrando o sangue para outros capilares — o que faz com que a lesão perca a cor.

Palpação

É o exame físico, com toque na cabeça e no pescoço. Essa manobra de Semiologia Odontológica permite que o profissional observe o amolecimento ou endurecimento das estruturas e, com isso, descubra se alguma delas sofre de inflamações e tumores. 

Então, ao realizar a palpação, o dentista toca com as pontas dos dedos e avalia diversos aspectos, como textura, espessura, consistência, sensibilidade, volume e temperatura; já as estruturas moles são examinadas por meio de palpação bidigital, digital e dígito-palmar. 

Percussão

É o ato de tocar ou bater em um objeto dentário. Da mesma forma que a inspeção, pode ser feita de maneira direta ou indiretamente. Normalmente, é feito com o cabo de um espelho dental.

A percussão é um exame muito comum no diagnóstico de odontalgias, em que o odontologista bate na coroa do dente. Mas também é muito utilizado para verificar e comparar a sensibilidade dos tecidos periodontais.

Por fim, também se verifica o estado físico do conteúdo — se está líquido, semissólido ou sólido. 

semiologia odontológica

Punção

Nessa manobra de Semiologia Odontológica, o profissional utiliza uma seringa para sugar o conteúdo líquido de uma lesão. Por isso, é mais utilizada em lesões vasculares.

Olfação

É a manobra de Semiologia Odontológica voltada para sentir todos os odores vindos da boca do paciente. Portanto, permite avaliar fatores como consumo de bebidas alcoólicas, halitose, pus, lesões, halitose, tumores malignos, cheiro cetônico de diabéticos e necrose.

Auscultação

Com um estetoscópio, o odontologista ausculta os sons internos do corpo. Essencial quando se afere a pressão arterial do paciente, a auscultação também muito utilizada para ouvir estalidos da articulação temporomandibular (ATM).

Exploração

Nessa manobra semiológica, o dentista utiliza um espelho espelho para analisar problemas no interior de determinadas estruturas orgânicas.

Raspagem

O odontologista esfrega áreas da mucosa bucal para avaliar problemas dentários e estruturais da boca.

Semiologia Odontológica: sintomas bucais de patologias sistêmicas

Veja alguns sinais de patologias que podem ser diagnosticados pela Semiologia Odontológica:

  • câncer: muitos tumores malignos podem ser diagnosticados pela boca, como a leucemia e o linfomas. Alguns sinais são o aumento da gengiva, verrugas, lesões e sensibilidade dentária;
  • doença de Crohn: inchaço da gengiva e dos lábios, além de úlceras na boca que, consequentemente, causam dificuldade na hora de comer;
  • Aids: inflamações e feridas na gengiva, esbranquiçamento nas laterais da língua e ferimentos na mucosa interna das bochechas, amígdalas e lábios;
  • bulimia: o ato de provocar o vômito faz com que o ácido clorídrico pare na boca, o que pode causar destruição dos dentes e lesões na mucosa. Outros efeitos são cáries, bruxismo, alteração da saliva e sensibilidade dentária;
  • lúpus eritematoso sistêmico: pequenas úlceras que, num primeiro momento, podem não causar dor; 
  • cirrose hepática: bolhas, erosões, placas, palidez no palato e abaixo da língua, halitose;
  • sífilis: dor de garganta, edema nos linfonodos, perfurações na cavidade bucal, cancro na língua ou no palato;
  • diabetes: da mesma forma que o infarto, não há surgimento de lesões, mas sim do hálito cetônico característico da doença;
  • infarto do miocárdio: não há lesões, mas o infarto tem como um de seus indícios uma dor que começa na mandíbula;
  • psoríase: lesões nos lábios, língua, palato e gengiva.

Então, entendeu a importância da Semiologia Odontológica para a saúde em um contexto geral? É por isso que o profissional precisa sempre mostrar ao paciente a importância de ir ao consultório odontológico com regularidade. 

Para que mais pessoas entendam sobre a importância da Semiologia Odontológica, compartilhe este post nas redes sociais

Seja um Dentista Parceiro!

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Deixe um comentário