Entenda a importância da anatomia e escultura dental para a prática odontológica

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Acadêmicos e profissionais de Odontologia precisam saber como analisar um objeto dentário para que sejam capazes de corrigir quaisquer problemas (ou, pelo menos, a maioria) do sistema estomatognático. Por isso, conhecer a anatomia e escultura dental permite que você conheça o dente em sua totalidade. Afinal, para esculpi-lo, é preciso entendê-lo em todos os seus detalhes.

Neste texto, você entenderá um pouco mais sobre a importância da escultura dental e como fazê-la em um bloco de cera. Confira:

O que é anatomia e escultura dental?

É uma disciplina do curso de Odontologia que tem o objetivo de oferecer uma experiência manual que permite ao aluno aprender como é uma restauração e, ao mesmo tempo, todos os detalhes da parte externa da anatomia dental, que vai desde o esmalte até a raiz.

Entender sobre anatomia e escultura dental é tão importante que a disciplina é uma das primeiras que o aluno de Odontologia aprende no curso.

Além disso, quando um odontologista faz um exame oral, ele observa forma, cor, alinhamento, irregularidades, mobilidade, presença de placa aderente, matéria alba e cálculo dental.

A anatomia dos dentes é formada por diversos componentes, como esmalte, coroa, dentina e elementos neurovasculares. Mas, no geral, ela se constitui da seguinte forma:

  • a dentina fica entre o esmalte e a câmara pulpar ou canal radicular;
  • a gengiva cobre os processos alveolares (ossos que circundam os dentes) da maxila e da mandíbula.

Quais doenças podem ser diagnosticadas pela anatomia dental?

Existem diversas enfermidades que podem ser diagnosticadas pelo exame da anatomia dental. Algumas delas são:

  • infecções profundas do pescoço;
  • sinusite odontogênica;
  • doenças periodontais;
  • traumatismo dentário;
  • lesão de reabsorção;
  • doenças periapicais;
  • doenças cardíacas;
  • cárie e tártaro;
  • bruxismo.

Essas patologias são detectadas por meio de exames radiológicos.

Como fazer uma escultura dental anatômica?

anatomia e escultura dental

Mostraremos resumidamente como fazer uma escultura da anatomia dental no modelo regressivo, em que você retira material (neste caso, um bloco de cera) para esculpir e chegar à forma desejada. O objetivo é ajudar na revisão do modelo dental. 

Materiais

2 esculpidores lecrons (1 com forma e corte de fábrica e outro preparado e com corte mais afiado)

2 hollembacks (nº 3 e 3S)

1 espátula 7

1 bloco de cera regular

Fase 1

Divida o bloco de cera em 3 partes iguais. Para isso, faça marcações com o lecron de corte afiado. Tenha bastante atenção, pois as últimas marcações devem encontrar as primeiras. 

Agora usando o lecron na vertical, marque no bloco os bordos vestibular e lingual. O desenho deve ser iniciado pela superfície que dará forma à face proximal mesial.

No topo do bloco, marcaremos duas linhas paralelas que vão funcionar como uma continuação do desenho. Elas servem para que a face desenhada na superfície proximal distal fique simétrica.

O desenho do bordo vestibular parte do limite incisal para cervical de maneira que os terços incisal e médio sejam mais planos ou ligeiramente convexos, enquanto o cervical será bastante convexo.

Para dentes anteriores, o bordo lingual é côncavo-convexo, dando forma à concavidade lingual dos terços médio e incisal e ao terço cervical da face lingual. 

Usando o esculpidor, deixe a marcação de divisão do bloco ainda mais profunda. Isso ajudará a evitar que o bloco tenha lascas indesejáveis antes de você começar a esculpir.

Agora é hora de fazer cortes no sentido médio-distal respeitando os limites das marcações que você fez. O sentido de corte pode ser alterado para inciso-cervical. Você também pode mudar a empunhadura para fazer cortes mais refinados. Além de cortar, você também pode raspar a cera — principalmente quando estiver perto dos limites demarcados.

Usando o lecron com a lâmina de fábrica, você conseguirá fazer um desgaste mais adequado dos terços médio e incisal da face lingual para conseguir a concavidade palatina dos dentes incisivos e caninos.

A primeira sequência de cortes está concluída. Agora podemos partir para os desenhos nas superfícies vestibular e lingual. 

Fase 2

A forma geométrica desses desenhos é trapezoidal de grande base incisal ou oclusal e que essa é uma característica geral de todos os dentes.

No sentido vestíbulo lingual, as faces proximais convergem para a lingual. Então, imprimimos essa característica.

A partir daí faremos a redução do bloco de cera seguindo essas marcações.

Fase 3

Agora você precisa fazer o arredondamento de todas as arestas e ângulos. Então, é hora de colocar em prática todos os conhecimentos de anatomia dental. Portanto, reduza a superfície da cera definindo convergências, convexidades, concavidades e todas as macrocaracterísticas do objeto.

Fase 4

Com a espátula 7, desgaste a concavidade palatina definindo uma ampla fossa delimitada pelas cristas marginais. Os contornos devem ser suavizados afinando o bordo incisal, que nesta fase ainda está reto.

Pegue o lecron afiado e trabalhe no bordo incisal dando inclinação de 45 graus para lingual. Suavize o ângulo inciso-mesial e arredonde o inciso-distal.

Fase 5 

Chegamos na fase final, em que você vai utilizar o hollemback 3 ou 3S para o refinamento da anatomia. Com ele, é possível definir o colo anatômico da coroa dental. 

Agora, com o lecron afiado, faça um corte na base de cera para começar o desenho da raiz. Imprima movimentos firmes e com muitos pontos de apoio. Faça o acabamento com o hollemback 3 ou 3S.

Após esculpir a raiz, defina alguns detalhes anatômicos do dente. Os sulcos de desenvolvimento distal e mesial partem do terço médio; já nos dentes jovens, que não sofreram desgastes funcionais, invadem o bordo incisal. Também é possível definir os ângulos de transição e a área plana ou de espelhamento da superfície vestibular. Por fim, defina com mais detalhamento as faces proximais, criando uma área ligeiramente concavada nos dois terços cervicais desta face, pois esse detalhe é extremamente importante para a saúde do periodonto.

Então, agora que você entendeu a importância da anatomia e escultura dental, siga a DVI Radiologia no Facebook e no Instagram!

Seja um Dentista Parceiro!

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Deixe um comentário