Aluguel de consultório odontológico: 6 dicas para escolher bem

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Depois de algum tempo de formado, finalmente você toma coragem para abrir sua própria sala. Escolhe o segmento de atuação, formula sua tabela de preços e investe em equipamentos, mas ainda tem um problema: o aluguel de consultório odontológico. Parece fácil, mas escolher o local ideal para trabalhar pode ser o maior atraso na realização desse sonho.

Trabalhar por conta própria é o sonho de muitos odontologistas, mas é preciso investir de maneira inteligente. Então, neste post você vai entender o que deve considerar para escolher o aluguel de consultório odontológico ideal. Confira:

6 dicas para escolher o melhor aluguel de consultório odontológico

Confira orientações básicas para escolher o local com melhor custo-benefício em aluguel.

1. Região de atuação

Centros urbanos costumam ter um aluguel mais caro, já que o trânsito de pessoas e o poder aquisitivo costumam ser muito maiores. Já locais periféricos ou no interior são mais em conta justamente para compensar esses fatores. 

Então, se você está em dúvida entre um local e outro, precisa definir:

  • a concorrência do local: se for muito grande, o aluguel provavelmente será maior;
  • o público-alvo que deseja atingir;
  • os preços que deseja cobrar;
  • a quantidade de atendimentos que deseja fazer por dia;
  • o quanto deseja faturar por mês.

2. Faça um planejamento financeiro

Quando se vai fazer o aluguel de um consultório odontológico é preciso olhar além do local. Afinal, existem vários custos e despesas essenciais para manter o negócio em pé. 

Você pode ter a intenção de atingir um público de maior poder aquisitivo, mas como visto, precisará investir em um aluguel maior. Dito isso, deve fazer um planejamento financeiro para saber onde está a sua atual situação financeira e até quanto pode investir com esse pagamento.

Então, na hora de decidir pelo aluguel que deseja pagar, considere também:

  • contas de luz, internet, água e demais gastos fixos que você possa ter;
  • todos os equipamentos e ferramentas da parte odontológica;
  • móveis e equipamentos para recepção, banheiro e cozinha;
  • decoração, pintura, reforma e reestruturação do imóvel;
  • pagamento de funcionários do local.

Outros gastos indiretos, mas também importantes:

  • transporte: você vai a pé, de carro ou transporte público?
  • alimentação: qual a média de preços dos restaurantes ao redor;
  • garagem: se você vai de carro, quanto vai gastar para deixá-lo estacionado?
  • contador: fundamental para que você saiba em qual tipo de empresa se encaixa (Eireli, MEI, ME, S.A ou Ltda., por exemplo);
  • material de publicidade e marketing: para atrair pacientes, você precisa fazer com que seu consultório fique conhecido.

Outro detalhe importante é que prédios mais antigos, apesar de mais em conta, costumam precisar de reformas, principalmente no encanamento. O que se pode fazer é reformar e solicitar um abatimento no valor do aluguel.

Para quem deseja atender em centros urbanos, mas ainda não tem capital, uma boa ideia é alugar em regiões vizinhas. Elas também costumam ser bem movimentadas, mas sem um custo de vida (e aluguel) tão alto.

3. Tenha um fundo de emergência

 aluguel de consultório odontológico

Pelo menos nos 6 primeiros meses de consultório odontológico, você vai trabalhar apenas para pagar os custos que investiu nele. Portanto, é preciso ter uma reserva de emergência que possa cobrir esse prejuízo — afinal, se você está apenas pagando os gastos, não está obtendo lucro.

Mas não se preocupe: trabalhar apenas para recuperar o prejuízo é algo muito comum no início de um negócio. O problema é que muitos profissionais autônomos começam sem essa reserva. Consequentemente, acabam quebrando. 

Tente ter uma reserva que possa cobrir pelo menos 6 meses de aluguel ou escolha um local que tenha um valor parecido com o que você já tem. Se houver algum imprevisto, você estará amparado.

4. Sozinho ou acompanhado?

Trabalhar por conta própria, com sócio ou apenas dividindo o consultório vai impactar bastante nos gastos com o consultório. Afinal, o tamanho do local escolhido deverá ser maior, e o aluguel tende a aumentar proporcionalmente. Ao mesmo tempo, você terá alguém para dividir os custos.

Dependendo da região, um local maior pode sair com um aluguel mais em conta (proporcionalmente falando). Portanto, vale ainda mais a pena quando se divide o aluguel.

5. Considere um coworking odontológico

Se você já ouviu falar em coworking, sabe que é um espaço coletivo em que diversos profissionais trabalham individualmente. Ele conta com toda a estrutura necessária e um custo de aluguel mais em conta. Além disso, todos dividem as despesas de uso comum, como água, luz, internet e telefone.

Obviamente, para profissionais da área da saúde, esse tipo de local não era o mais apropriado. Afinal, há uma série de cuidados específicos que um ambiente de saúde exige.

Foi pensando nisso que surgiram os coworkings médico e odontológico. Neles, você não precisará investir em arquitetura, decoração ou reformas, já que ele está pronto e liberado para uso.

Além disso, você pode pagar em diferentes formatos:

  • mensalmente;
  • pay per use: você paga pelo período em que usa o local (que pode ser até de horas, dependendo do caso). Se for trabalhar apenas às segundas, quartas e sextas em período parcial, o valor pago será menor;
  • day-use: o dentista paga por dia e tem aquele tempo integral para fazer seus atendimentos.

Além de estar em uma área privilegiada, o coworking costuma lidar com toda a parte administrativa. Alguns locais até oferecem o serviço de secretaria para a marcação de consultas. 

6. Fique de olho na legislação

Antes de alugar seu consultório, você precisará abrir um CNPJ. Para isso, ter o auxílio de um contador será muito útil. Normalmente, odontologistas se encaixam na categoria Eireli.

Além disso, você precisa estar bem informado sobre as regras locais de funcionamento de um consultório odontológico. Entenda o que a Vigilância Sanitária e o Corpo de Bombeiros local exigem, além dos custos do alvará e quais as demais documentações necessárias.

Pronto para escolher o melhor aluguel de consultório odontológico? Então, compartilhe este post nas suas redes sociais e ajude outros profissionais a realizar esse sonho!

Seja um Dentista Parceiro!

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Deixe uma resposta