Conheça a técnica de Clark: método de localização radiológica

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

A técnica de Clark é um dos métodos de localização radiológica mais conhecido entre os dentistas. Ele usa conceitos da Astronomia, como a paralaxe, para localizar dentes inclusos em exames de raio-X.

Ao saber como aplicar o método de Clark, os dentistas conseguem ter resultados mais efetivos na coleta de imagens radiológicas. Isso resulta em um melhor diagnóstico e tratamento para os pacientes.

Na sequência, vamos falar mais sobre esse importante método de localização radiológica. Continue a leitura e fique bem informado!

O que é a técnica de Clark?

A técnica de Clark consiste em um método usado para a localização de dentes inclusos, processos e corpos estranhos na maxila, por meio de exames radiográficos.

De tal maneira, a metodologia é utilizada pelos dentistas para que possam ser localizados pontos anatômicos, tais como o forame mentual e incisivo. 

Também é possível usar o método de Clark para fazer a dissociação de raízes e condutos radiculares.

Como a técnica de Clark surgiu?

O nome técnica de Clark foi dado a esse método para homenagear o seu criador, o cientista Charles A. Clark.

A descoberta do método aconteceu em 1910. Na época, o cientista Charles A. Clark estava estudando o princípio da paralaxe, que é um conceito da Astronomia, em exames de raio-X.

A ideia era buscar uma forma para que fossem solucionadas as questões que dizem respeito à sobreposição de tomadas radiográficas.

Charles A. Clark partiu do pressuposto que, quando uma pessoa olha para um objeto, a sua visão depende do ângulo em que ela se encontra. Logo, ele buscou meios para que esse fenômeno pudesse ser aplicado também na radiologia.

A conclusão a que Charles A. Clark chegou em seus estudos é que a imagem obtida pelos aparelhos radiográficos varia, de acordo com o ângulo em que os feixes de raio-X incidem sobre o filme.

Observe na imagem abaixo, um meme que explica de forma bem-humorada como a técnica de Clark ocorre, usando os registros de um discurso do ex-presidente americano Barack Obama.

técnica de clark

Créditos da imagem: autor desconhecido

Na primeira fotografia, vemos um homem que parece ter um cabelo avantajado. Porém, ao observar a mesma cena por outro ângulo, percebe-se que o penteado não é dele, mas sim de uma mulher que está na fila de trás.

Na radiologia acontece da mesma forma, ou seja, um dente ou suas partes, como os canais e as raízes, podem ficar na frente um do outro. Logo, impede que se tenha uma visão perfeita do conjunto. A técnica de Clark surgiu para resolver esse problema.

De 1910 para cá, o método de Clark foi aperfeiçoado e segue sendo utilizado em consultórios dentários de todo o mundo. Além disso, a técnica também já foi objeto de pesquisa em diversas universidades e institutos de odontologia ou radiologia.

Como esse método de localização radiológica funciona?

Conforme explicamos, a técnica de Clark tem como princípio base a paralaxe. Em sua execução, o paciente precisa realizar três tomadas radiográficas.

Inicialmente, é necessário fazer um raio-X na posição central. Na sequência, o paciente deve ter imagens coletadas com variações de ângulo, para a esquerda e para a direita.

A ideia é que, por meio das três tomadas, os dentistas e os radiologistas possam ter uma visão ampla da mandíbula e da arcada dentária do paciente.

Assim sendo, caso algum objeto estranho, como uma raiz mal formada, existir, o dentista localizará mais facilmente.

Em que situações a técnica de Clark é utilizada?

Nos consultórios odontológicos, a técnica de Clark é usada em  diferentes situações. Na sequência, apresentaremos algumas das mais comuns. Acompanhe!

Dissociação dos canais e das raízes dos dentes

A sobreposição de raízes é bastante comum de ocorrer em exames de raio-X comuns. Essa situação faz com que seja difícil enxergar com clareza o que faz parte de cada dente. Logo, as análises mais específicas ficam limitadas.

Utilizar a técnica de Clark é ideal para fazer a dissociação das raízes e dos canais dos dentes. Afinal, diferentes ângulos da mesma imagem poderão ser observadas.

Localização de dentes inclusos e outros corpos estranhos

Com a técnica de Clark, os exames de raio-X conseguem mostrar com maior clareza o posicionamento vestíbulo-lingual dos dentes não-irrompidos.

Ao realizar o exame, coletando as imagens por meio de diferentes ângulos, o dentista poderá verificar se existem dentes inclusos ou outros corpos nas maxilas ou na mandíbula dos pacientes.

Caso isso seja identificado e for necessário fazer a remoção de um dente incluso, por exemplo, o dentista terá mais ciência de como realizar isso. Afinal, a imagem pode servir como uma espécie de mapa para nortear o processo.

Localização de pontos de reparo ou lesões anatômicas

Em exames radiológicos comuns, é normal que os dentistas e os radiologistas tenham dificuldade para identificar pontos de reparo ou lesões anatômicas.

Isso porque esses pontos podem ser confundidos com possíveis cistos ou outros agentes presentes no paciente.

Ao fazer a coleta das imagens por diferentes ângulos, usando os princípios da técnica de Clark, os profissionais conseguem entender o que é uma lesão ou ponto de reparo que realmente deve ser tratado no paciente.

A técnica de Clark é realmente inovadora e pode fazer toda a diferença para solucionar diversas situações na odontologia. Agora, você já entende mais sobre essa metodologia tão interessante.

Continue em nosso blog! Confira agora o nosso artigo que fala sobre a odontologia biológica e tudo o que você precisa saber sobre essa área de atuação.

Seja um Dentista Parceiro!

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Deixe uma resposta