Cefalometria: o que é e quais os impactos na odontologia

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

A cefalometria, sem dúvida, é um dos avanços mais importantes na área da ortodontia. A partir desse exame, ficou muito mais fácil para os dentistas avaliarem os pacientes.

Antes desse invento, para você ter uma ideia, eram feitas fotografias de frente e de perfil dos pacientes, para que as questões faciais fossem avaliadas.

As fotografias, no entanto, não davam ao dentista uma visão completa, com todas as características da face dos pacientes. Por conta dessa complexidade, a ortodontia necessitava de um exame mais complexo.

Com o surgimento da cefalometria, ficou muito mais fácil para os dentistas relacionar os dentes diretamente com o restante das estruturas do conjunto craniofacial.

Para saber mais sobre o assunto e ter as suas dúvidas esclarecidas, preparamos este artigo. Continue com a leitura e confira!

O que é a cefalometria?

Cefalometria é o nome dado à ciência que estuda todas as dimensões das estruturas do crânio e da face dos indivíduos.

Assim sendo, um exame de cefalometria garante que os dentistas possam examinar os pacientes de mais detalhadamente. Dessa maneira, é possível garantir um diagnóstico mais completo e eficiente.

Atualmente, tecnologias como a telerradiologia garantem que essa categoria de exame possa ser realizado a distância. Isso é muito útil, principalmente, em cidades menores, em que há pouca demanda por radiologistas que podem elaborar o laudo dos exames.

O que é analisado nesse exame?

cefalometria

No exame de cefalometria, diversas estruturas podem ser analisadas. Por meio dele, tudo pode ser traçado com mais precisão, o que faz com que os dentistas prestem um diagnóstico adequado.

Diversos pontos podem ser analisados nos exames. A seguir, apresentaremos os principais!

Borda póstero-inferior das órbitas

A borda póstero-inferior das órbitas é o espaço que compreende toda a margem lateral da cavidade orbitária na face. 

Essa é uma das regiões mais difíceis de ser analisada em exames comuns. Por isso, a cefalometria é uma opção bem interessante.

Dentes posteriores

Os dentes posteriores são aqueles tidos como um elemento-chave para que a força da ancoragem de cada pessoa se desenvolva. Eles são difíceis de serem localizados em exames comuns, mesmo quando se utilizam técnicas como o método de Clark.

Por meio da cefalometria fica mais fácil de analisar todas as estruturas desses dentes e conquistar mais resultados positivos nos tratamentos.

Fissura pterigomaxilar

A cefalometria também podem ser usada para retratar as fissuras na região da fossa pterigomaxilar, que percorre toda a linha radiopaca, que percorre por partes como o posterior do tuber e o anterior do osso esfenóide.

Maxila e mandíbulas

A maxila e as mandíbulas são partes que devem ser avaliadas em diversos tipos de tratamento odontológico., como o uso de aparelho para correção dos dentes, por exemplo.

O exame de cefalometria analisa três linhas no local: a do assoalho da fossa nasal, a da abóbada palatina e o perfil alveolar anterior.

Meato acústico anatômico

O meato acústico anatômico é uma parte difícil de ser visualizada, tendo em vista que fica na região radiopaca. Essa parte também é conhecida como porção petrosa do osso temporal.

A cefalometria é um dos únicos exames que garante aos dentistas uma visão mais ampla dessa complexa parte do corpo.

Perfil mole

Os perfis moles são as partes que se iniciam na altura dos ossos da face frontal do rosto, no mesmo nível superior da glabela. 

Eles se prolongam por toda a mandíbula e contornam toda a região conhecida como o mento.

Sela túrcica

A cefalometria tem examina a sela túrcica, que é a capacidade ou fossa em que fica a hipófise, parte do corpo que também é conhecida como pituitária.

A sela túrcica se localiza na parte média da base do crânio, local que abriga o osso esfenóide.

Sutura fronto-nasal

Essa é uma área que fica demarcada no início da glabela, em sua parte inferior. No mesmo osso, é interrompida na região em que ocorre a sutura com os ossos nasais.

O prosseguimento acontece de forma inferior, de modo que o contorno dos limites dos ossos pode ser analisado pelo dentista em toda a sua extensão.

Quando fazer esse exame?

Existem diversas situações em que a cefalometria é indicada. O exame pode ser feito, por exemplo, quando os pacientes precisam corrigir problemas como mau posicionamento dos dentes, mordida aberta, dentes encavalados etc.

A cefalometria é bem interessante e convém aos dentistas e pacientes saberem mais sobre esse exame. Esperamos que as suas dúvidas tenham sido esclarecidas.

Quer continuar aprendendo? Então, veja agora o nosso conteúdo que fala sobre a Displasia Fibrosa Monostótica.

Seja um Dentista Parceiro!

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Deixe um comentário