Uma comparação entre filmes radiológicos e o sistema digital Digora

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

O uso de filmes radiológicos tem se tornado cada vez mais obsoleto, tendo em vista que a radiologia digital é cada vez mais presente na odontologia e na medicina.

O sistema digital Digora, por exemplo, é um software bastante utilizado e que substitui muito bem os filmes radiográficos, conforme veremos neste artigo. Prossiga com a leitura!

O que são filmes radiológicos?

Os filmes radiográficos nada mais são do que as películas em que se registram as imagens em exames de imagem feitos pelo método tradicional.

No caso do filme radiográfico odontológico, a divisão é feita em intrabucais e extrabucais. O primeiro modelo é o mais comum nas clínicas e consultórios, tendo em vista que possibilita análise de muitos detalhes.

Com esse filme, os dentistas conseguem analisar a saúde dos dentes, das raízes e dos ossos da face do paciente.

Além disso, ele também serve para mostrar como estão os dentes ainda em desenvolvimento, para verificar a dentição de crianças que estão trocando o aparelho dentário e de pessoas que não removeram o siso, por exemplo.

Com o surgimento e desenvolvimento da radiologia digital, os filmes começaram a entrar em desuso. Isso porque os métodos digitais são muito mais eficientes e até mesmo ecologicamente mais sustentáveis, tendo em vista que não geram lixo.

O que é o sistema digital Digora?

filmes radiográficos

Como explicamos, atualmente, as imagens radiográficas podem ser obtidas digitalmente, sem a utilização dos filmes radiográficos. 

Entre os softwares que permitem o registro das imagens diretamente em computador está o sistema digital Digora, que já foi tema de diversas pesquisas em institutos e faculdades.

O sistema digital Digora apresenta uma imagem composta por vários pontos (pixels) com diferentes tonalidades de cinza, resultantes de uma leitura feita com laser e de uma placa óptica que é exposta à radiação X.

Qual das modalidades apresenta melhores resultados?

Agora que você já conhece um pouco mais sobre os filmes radiográficos e o sistema digital Digora, deve estar se perguntando sobre qual deles gera mais resultados positivos, não é mesmo?

Para esclarecer essa dúvida, os pesquisadores Maximiliano Ferreira Tovo, Bernardo Gonzales Vono e Orivaldo Tavano, da Universidade de São Paulo (USP), desenvolveram um estudo comparativo.

Sobre o estudo comparativo entre filmes radiológicos e o sistema Digora

A pesquisa comparou o desempenho diagnóstico dos filmes Agfa M2 e Ektaspeed Plus e do sistema digital Digora.

A amostra foi composta por 37 molares decíduos, radiografados em 50, 70 e 90 kV. As imagens de 41 superfícies proximais foram avaliadas sob condições padronizadas.

Resultados observados pelos pesquisadores

No estudo realizado, os pesquisadores chegaram a três conclusões principais. Falaremos brevemente sobre cada uma delas.

Comparação de filmes radiográficos

Primeiramente, concluiu-se que, em relação aos filmes radiográficos, o filme Ektaspeed Plus, exposto a 50 kV, demonstrou o maior valor de acurácia e sensibilidade, sendo esta praticamente igual ao do filme Agfa M2 em 90 kV.

Além disso, a especificidade dos filmes revelou valores comparáveis, que puderam ser usados como fio condutor do estudo.

Uso do sistema Digora

Em relação ao sistema Digora, concluiu-se que o maior valor de sensibilidade foi revelado pela modalidade de imagem “Negativo” (70 kV).

Majoritariamente, a imagem em  0,5 X foi a mais específica. Além disso, a acurácia média do sistema digital Digora foi, em valores, praticamente a mesma e a estatística kappa resultou em boa validação.

Comparação entre os métodos analógicos e o sistema Digora

Comparando-se os filmes e o sistema Digora, os cientistas concluíram que o software foi mais sensível que os filmes, em todos os kV, não ocorrendo o mesmo em relação à especificidade.

Concluiu-se ainda que a acurácia média do sistema digital suplantou a dos filmes e somente o filme Ekta, em 50 kV, alcançou os valores de kappa revelados pelo sistema digital.

As conclusões do estudo mostram como a radiologia digital é eficiente e uma excelente alternativa para substituir as atividades analógicas, que ainda persistem em algumas clínicas e consultórios odontológicos.

A radiologia digital abre precedentes, inclusive, para o serviço de telerradiologia, em que os laudos dos exames são elaborados a distância, por profissionais altamente qualificados.

E você, o que achou do estudo comparativo entre os filmes radiológicos e o sistema digital Digora? Conte para a gente no espaço destinado para comentários!

Seja um Dentista Parceiro!

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Deixe um comentário